Fale conoscoPágina Principal


Alterar tamanho do Texto     
  27/06/2012 | Polícia Civil pede prisão temporária do principal suspeito de matar Beatriz
 
 
 Ampliar Clique para ampliar a foto
 A Polícia Civil de Sarandi pediu, nesta quarta–feira (27), a prisão temporária de um pedreiro de 52 anos, pelo estupro e assassinato da menina Beatriz Pacheco, de 10 anos. O homem foi reconhecido pelas duas crianças que teriam visto o autor do crime. Segundo o delegado José Maurício de Lima Filho, ele reside em uma chácara em Maringá, mas já morou no mesmo bairro da vítima.

O homem esteve em Sarandi no dia do crime e teria dormido em um terreno próximo ao local em que a menina foi encontrada. Segundo o delegado, uma tia do suspeito contou à polícia que estranhou o fato de ele ter lavado a roupa que usou no final de semana – uma camisa semelhante à descrita pelo garoto. O fato chamou a atenção pois, segundo a tia, ele nunca lavava a própria roupa.

A polícia também ouviu a ex–mulher do suspeito, que confirmou que ele já teria tentado estuprar uma enteada, na época com 14 anos, ameaçando–a com uma faca. Além disso, moradores da região em que o suspeito reside contaram aos policiais que ele seria zoófilo, e costumaria manter relações sexuais com cadelas.

As características físicas do acusado batem com as descritas no retrato falado. O suspeito foi levado ao Hospital Universitário (HU) de Maringá para coleta de sangue, que será encaminhado a Curitiba para confronto com o material colhido no corpo de Beatriz. O delegado espera que o resultado do exame seja entregue em 30 dias.

Lima conta que a mãe da menina afirmou que o pedreiro conhecia a menina, uma vez que já teria morado no mesmo bairro da família. "Isso faz entender porque a menina teria seguido o homem até o matagal. Ele seria uma pessoa conhecida da vítima", explica.

Apesar de negar qualquer envolvimento com o crime, ele não possui álibi. "Ele falou que passou por alguns lugares em Sarandi, mas sua versão é inverossímil", diz o delegado.

A bicicleta que Beatriz usava no dia do crime foi encontrada nesta quarta–feira. O veículo estava com usuários de drogas e teria sido pintado de branco (originalmente seria vermelho e branco).

O homem está detido em uma delegacia da região, que não foi divulgada por motivos de segurança, uma vez que a comoção popular é grande e pode comprometer sua integridade física.

Caso Beatriz
A estudante Beatriz Silva Pacheco Gonçalves, 10 anos, foi encontrada morta na manhã da segunda–feira (18), na zona rural de Sarandi, na região metropolitana de Maringá. A menina foi estuprada e esganada. Segundo o primo da vítima, o possível criminoso seria um homem que a atraiu para um lugar ermo com a promessa de pagar–lhe R$ 10 para que cuidasse por alguns instantes de um cavalo.
 
Data: 27/06/2012 Fonte:Gazeta Maringá
 
Compartilhar

     

Maringá QUI|20|SET|2018